Notícias em: BRASIL

Presepada de Waldir Maranhão e Flávio Dino se deu na base de muita cachaça

FD e WM: dois palhaços

                                                                       FD e WM: dois palhaços

O chefe da Advocacia Geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, convenceu o presidente em exercício da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), a tentar “melar” o processo de impeachment após uma longa conversa, domingo (8) à noite, durante a qual, segundo telatos de parlamentares, teriam bebido juntos três garrafas de aguardente Velho Barreiro.

A conversa, típica de mesa de bar, relatada ao vice-presidente Michel Temer por parlamentares, serviu para que Maranhão tivesse uma primeira experiência como suposto integrante do “núcleo do poder” petista. Político do baixo clero, que nunca recebia nem mesmo cumprimentos cordiais de ministros, ficou encantado com os salamaleques.

Naquele mesmo domingo, um jatinho da FAB foi buscar Waldir Maranhão em São Luís, e Cardozo deu um jeito de colocar no mesmo avião o governador maranhense Flávio Dino (PCdoB), aliado do governo contra o impeachment, e aliado do presidente interino da Câmara, a quem ofereceu espaços ainda mais generosos em seu governo e fez ver ao parlamentar as vantagens de estar junto do governo Dilma. Durante o vôo, Dino já alinhavou as “razões” para Maranhão tentar aplicar um golpe no impeachment.

Um experiente político maranhense que conhece bem o presidente interno da Câmara disse que era difícil resistir. Waldir Maranhão já havia deixado isso claro quando, na votação do impeachment, afrontou o PP, que se posicionara favoravelmente ao afastamento da presidente, e passou de aliado de Eduardo Cunha, presidente afastado da Câmara, neste momento, em um dos mais importantes aliados da presidente Dilme Rousseff.

Ao final da terceira garrafa, relatam deputados próximos dos personagens da conversa, Cardozo deu a cartada final, tentando sensibilizar Maranhão: “Não posso fazer mais nada pela chefa, mas desço a rampa com ela!”. Em seguida, o advogado-geral da Dilma, como tem sido chamado, revelou o que estava por trás de toda aquela concersa de cerca-lourenço:

– Eu tenho a solução. Na verdade, você, Maranhão tem a solução – afirmou Cardozo.

E, seguida arrematou, enchendo a bola do novo presidente da Câmara:

– Você pode parar tudo! Entrar para a História! Ganhar o reconhecimento dos brasileiros! Ter a gratidão da Dilma e de todos nós!

Waldir Maranhão, segundo um deputado governista do Ceará, “acreditou na conversa e só perguntou onde deveria assinar”. Na manhã seguinte, segunda-feira (9), perpetrou a presepada.

(Da coluna Diário de Poder)

A babá, os idiotas e o preconceito

baba

Desde o início dos protestos de domingo (13) iniciou-se nas redes sociais um movimento – claramente influenciado pelos petistas – de demonização dos manifestantes.

O principal argumento? São elite…

Segundo essa lógica vazia, mesquinha, quem ganha dinheiro trabalhando, produzindo e, de alguma forma, é bem sucedido, não pode protestar contra um governo.

Foi nesse cenário que surgiu a foto acima.

Uma babá negra, empurrando um carrinho com dois filhos de um casal branco.

Pronto!

Estava armado o cenário perfeito para acrescentar mais um ingrediente à lista de desqualificação do movimento: além de elitista, racista.

É claro que ninguém é tolo de negar que, se a maioria das babás ou empregadas domésticas no país é negra, isso se deve a um processo histórico que tem como nascedouro a escravidão ainda nos tempos do Brasil Colônia.

Agora, não é razoável que o senhor  Cláudio Pracownick, o cidadão da mesma foto acima, seja o alvo de toda crítica que se possa fazer ao desenvolvimento da sociedade brasileira por conta dos resultados de um deplorável processo histórico.

Fazer isso é má-fé (no caso de quem o faz de caso pensado), ou idiotice.

Na maioria dos casos, infelizmente, a segunda opção é a verdadeira.

A resposta de Pracownick, no entanto, deixou sem argumentos todos os idiotas que decidiram, a partir de uma única imagem, fazer uma análise sociológica de todo o movimento “Fora Dilma”, que levou  às ruas mais de 2 milhões de pessoas em todo Brasil.

A babá em questão é uma empregada contratada em regime diferenciado, para trabalhar exclusivamente aos fins de semana. E recebe a mais por isso, exatamente como mandam as leis trabalhistas.

Nos dizeres de Pracownick: “Trata-se de uma ótima funcionária […]. Não a trato como vítima, nem como se fosse da minha família. Trato-a com o respeito e ofereço a dignidade que qualquer trabalhador faz jus”.

Sinto dizer, mas Debret não tem nada a ver com isso. E preconceituoso é quem julgou o casal a partir uma imagem.

Abaixo, o posicionamento de completo de Cláudio Pracownick:

“Sí Pasarán!”

Ganho meu dinheiro honestamente, meus bens estão em meu nome, não recebi presentes de construtoras, pago impostos (não, propinas), emprego centenas de pessoas no meu trabalho e na minha casa mais 04 funcionários. Todos recebem em dia. Todos têm carteira assinada e para todos eu pago seus direitos sociais.

Não faço mais do que a minha obrigação! Se todos fizessem o mesmo, nosso país poderia estar em uma situação diferente

A babá da foto, só trabalha aos finais de semana e recebe a mais por isto. Na manifestação ela está usando sua roupa de trabalho e com dignidade ganhando seu dinheiro.

A profissão dela é regulamentada. Trata-se de uma ótima funcionária de quem, a propósito, gostamos muito.

Ela é, no entanto, livre para pedir demissão se achar que prefere outra ocupação ou empregador. Não a trato como vítima, nem como se fosse da minha família. Trato-a com o respeito e ofereço a dignidade que qualquer trabalhador faz jus.

Sinto-me feliz em gerar empregos em um país que, graças a incapacidade de seus governantes, sua classe política e de toda uma cultura baseada na corrupção vive uma de suas piores crises econômicas do século.

Triste, só me sinto quando percebo a limitação da minha privacidade em detrimento de um pensamento mesquinho, limitado, parcial cujo único objetivo é servir de factoide diversionista da fática e intolerável situação que vivemos.

Para estas pessoas que julgam outras que sequer conhecem com base em um fotografia distante, entrego apenas a minha esperança que um novo país, traga uma nova visão para a nossa gente. Uma visão sem preconceitos, sem extremismos e unitária.

O ódio? A revolta? Estas, deixo para eles.

Blog do Gilberto Léda

 

Folha de S. Paulo cria novo conceito de nepotismo para denunciar Flávio Dino

 

Jornal GGN – Na edição de hoje o jornal “denuncia” o novo governador do Maranhão Flávio Dino pelo fato de nomear pessoas que são parentes de outras pessoas do mesmo governo.

A “denúncia” é que a namorada do Secretário de Articulação Política Márcio Jerry chefia o gabinete do governador e sua irmã é número dois da Secretaria de Esporte e Lazer.

Segundo a própria reportagem, a namorada de Jerry é dirigente do PCdoB – o partido do governador – e a irmã tem carreira no serviço público tendo chefiado o departamento do idoso da pasta na gestão Roseana Sarney (PMDB) e atuado  no Ministério do Esporte.

Com a “denúncia” o jornal inaugura uma nova etapa do conceito de nepotismo.

 

Lula, um canalha sem limites

 

Por Ricardo Noblat

Em comício ao lado de Dilma em Itaquera, distrito da Zona Leste da capital paulista, Lula falou mal da imprensa – até aí nada demais. É direito dele. E nada tem de original.

Mas a certa altura do seu discurso, ele citou os nomes dos jornalistas Miriam Leitão, do jornal O Globo, e de William Bonner, apresentador do Jornal Nacional da Rede Globo de Televisão.

– Daqui para frente é a Miriam Leitão falando mal da Dilma na televisão, e a gente falando bem dela (Dilma) na periferia. É o (William) Bonner falando mal dela no “Jornal Nacional”, e a gente falando bem dela em casa. Agora somos nós contra eles – ameaçou Lula.

As cerca de cinco mil pessoas reunidas para escutá-lo foram ao delírio. Mais tarde, no teatro da Universidade Pontifícia de São Paulo, no bairro de Perdizes, Lula voltou a criticar a imprensa. E a citar Míriam Leitão e a Rede Globo.

Não dá para afirmar que ele tenha bebido antes de discursar. Aparentava estar sóbrio. Dilma e líderes do PT que testemunharam os discursos de Lula sorriram com o que ele disse. Certamente não pensaram numa coisa – e se pensaram não deram importância.

A saber: Lula expôs dois jornalistas à ira dos seus seguidores fanáticos.

Com Lula, nada é por acaso. O objetivo é um só: constranger o mediador do debate, colocando o eleitorado do PT contra ele. Se Dilma for interrompida porque estourou o tempo, a culpa será de Willian Bonner. Se Dilma tiver um desempenho pífio, as suas deficiências serão creditadas a um golpe da Globo e do apresentador, que a deixaram nervosa e pressionada. A partir de ontem, Bonner está desafiado a provar, sendo mais duro com Aécio, que não está contra Dilma. Pelo menos este é o objetivo de Lula, com o seu ataque ao jornalista.

Por trás disso tudo, que não é um episódio, é uma campanha, está a meta de Lula de implantar o controle social da mídia, a exemplo dos países que fazem parte do Foro de São Paulo. Destruída a oposição, por uma máquina de assassinar reputações, o último passo será calar a Imprensa. Ontem Lula deu nome aos bois. Em várias oportunidades, nos últimos meses, ao conceder longas entrevistas aos blogs patrocinados pelo governo, de onde são propagadas as piores calúnias contra Aécio Neves, já havia feito referências semelhantes.

Lula deixa muito claro onde quer chegar. Infelizmente, se Dilma vencer estas eleições, alcançará seu intento. As redações são majoritariamente bolivarianas e apoiarão. Os colunistas que ainda opinam contra o governo, estes serão dizimados. As empresas de comunicação serão perseguidas e varridas do mapa.

A Venezuela e a Argentina moram ao lado. Só não enxerga quem não quer.

Aécio lidera corrida presidencial, diz Instituto Veritá

Candidato do PSDB tem 53,2% dos votos válidos, contra 46,8% de Dilma

Da Revista IstoÉ

 

debate-ch.jpg

Se a eleição fosse hoje, o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, teria 53,2% dos votos válidos no segundo turno, segundo pesquisa do Instituto Veritá divulgada nesta terça-feira (21). Dilma Rousseff, do PT, aparece com 46,8%.

Se for considerada a votação total, com brancos e nulos, Aécio tem 47% das intenções. Dilma aparece com 41,4%. Os indecisos somam 7,8% e outros 3,7% votariam em branco ou nulo.

A margem de erro da pesquisa, encomendada pelo jornal Hoje em Dia, do grupo Record, é de 1,4 ponto percentual para mais ou para menos.

O levantamento do Instituto Veritá foi realizado entre os dias 17 de outubro e 20 de outubro. Foram ouvidos 7.700 eleitores em 213 cidades de todos os Estados brasileiros.

Ainda segundo essa pesquisa, o índice de rejeição da presidenta Dilma é maior que o de Aécio. O levantamento apontou que 46,1% dos eleitores não votariam na petista de jeito nenhum, enquanto 39,1% afirmam o mesmo sobre o tucano.

Jereissati desembarga hoje em São Luís para evento tucano

 

Aécio terá reforço de Jeiressati em São Luís

Aécio terá reforço de Jeiressati em São Luís

O senador do Ceará eleito, Tasso Jereissati (PSDB), confirmou presença para o grande evento tucano que notabilizará a campanha “Aécio Presidente” no Maranhão, nesta quarta-feira (15). A atividade acontecerá no Hotel Luzeiros, a partir das 15h, e reunirá todas as lideranças partidárias que apoiam a candidatura do peessedebista para o segundo turno.

Tasso Jereissati é coordenador da campanha do candidato a presidente da República pelo PSDB, Aécio Neves, no Nordeste e tem contribuído para a efetivação do plano de ações na região nesta reta final de campanha.

A vinda de Jereissati também busca esclarecer as propostas tucanas para o Nordeste, com destaque para a questão hídrica, manutenção de programas sociais como o Bolsa Família e execução de uma política pautada para a promoção do desenvolvimento do Nordeste, no combate às desigualdades sociais, contemplando itens importantes do programa Nordeste Forte, defendido pelo presidenciável Aécio Neves.

“Jereissati no Maranhão trará ânimo a mais para uma campanha pró Aécio que só tem crescido em nosso estado. Nossa expectativa para este evento é a melhor possível”, declarou o coordenador da campanha tucana no Maranhão e presidente do PSDB/MA, o deputado federal Carlos Brandão.

Sem vistoriá-lo, como a Polícia Federal poderia saber se o avião do senador transportava dinheiro ilegal?

 

Do Blog do Ricardo Noblat

O avião de campanha do senador Edison Lobão Filho (PMDB), candidato ao governo do Maranhão, foi vistoriado na madrugada da última quinta-feira por um grupo de agentes da Polícia Federal em Imperatriz, interior do Estado. O senador não estava dentro.  Esperou o fim da vistoria em um hangar do aeroporto.

Os agentes não encontraram o que procuravam com base em uma denúncia anônima – dinheiro ilegal para pagamento de despesas da campanha.

Lobão Filho se disse desrespeitado. Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado e colecionador de processos na Justiça, soltou uma nota dizendo que Lobão Filho fora desrespeitado. Michel Temer (PMDB-SP), vice-presidente da República, saiu em socorro do senador.

A presidente da República acionou o Ministro da Justiça para que apure o que aconteceu. E o ministro pediu informações à Polícia Federal.

Quantas ações do gênero, comandadas pela Polícia Federal, não deram em nada pelo país a fora? E quantas outras não foram um sucesso?

O que há de espantoso no caso? Sem vistoriar o avião do senador, como a Polícia Federal poderia concluir se a informação procedia ou não? Apenas acreditando na palavra dele? Tem dó!

O avião de Lobão Filho deveria ter sido deixado em paz simplesmente por que seu dono é senador? E da base de apoio ao governo?

Ora, Dilma não atribui a quantidade de escândalos que abala o governo à liberdade que a Polícia Federal tem para investigar denúncias?

A Polícia Federal é um órgão do Estado – não do governo. Ela atua com independência. Foi como procedeu a delegacia regional da Polícia Federal em Imperatriz.

De resto, por seus antecedentes, Lobão Filho merece a atenção especial da polícia. Por exemplo: costuma fazer o que não deve para escapar à qualquer derrota.

Na semana passada, um detento da Penitenciária de Pedrinha, em São Luís, disse que o principal adversário de Lobão, Flávio Dino (PC do B), também candidato ao governo, se envolvera quando era jovem em um assalto a um carro pagador.

Mentiu. E o próprio detento, depois, confessou que mentiu.

Disse o que disse, segundo ele, em troca da redução de sua pena e de muito dinheiro. O depoimento do detento foi gravado no gabinete de um dos diretores da penitenciária. A história do detento cedeu lugar no noticiário à ação malsucedida da Polícia Federal em Imperatriz.

Lobão Filho agradece.

Maranhense de Fortuna pode ir de servente de pedreiro e ministro do STF

Do JusBrasil

stf

Acelino Rodrigues Carvalho, este pode ser o nome do novo ministro do Supremo Tribunal Federal, a mais alta corte do Poder Judiciário brasileiro. Natural da cidade de Fortuna (MA), o jurista fixou residência na cidade de Dourados, a 260 quilômetros de Campo Grande há 27 anos.

Com um currículo extenso, com duas pós- graduações, mestrado e doutorado, além de atuar como advogado e professor na Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), o nome de Acelino surgiu no seio da comunidade jurídica e ganhou força com apoio de movimentos sociais em defesa de negros e índios, que pretendem levar para o STJ, um substituto negro para ocupar a vaga de Joaquim Barbosa. Por ter esse perfil e ser tradicionalista, inúmeras categorias defendem e têm organizado mobilizações para o nome de Acelino chegar até a presidente Dilma Rousseff e conduzi-lo à Corte.

A Seccional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em Mato Grosso do Sul, Assembleia Legislativa, Associação Comercial de Dourados, Câmara de Vereadores de Dourados, reitores universitários, Associação de Magistrados de MS e parlamentares federais do Estado também endossam o coro a favor de o jurista ser o novo ministro. De origem humilde, o jurista, filho de pais que nunca frequentaram escola, não fez planos para disputar uma cadeira do STF.

Ainda jovem trabalhou com servente de pedreiro e como desejava obter conhecimento, atuou como um ‘curinga’ dentro da empresa onde era funcionário. Chegou ao departamento de contabilidade sem informações sobre a área e costumava viajar a trabalho. Quando chegou a Dourados viu as portas se abrirem para o sonho de estudar se tornar realidade, e assim sucedeu. “Dourados é minha Terra Prometida, onde me formei em Direito pela Unigran. Por ser negro e defender minha cultura nordestina escolheram o meu nome para pleitear a vaga”, conta. Com cinco livros publicados e outro a ser lançado, Acelino saiu do Maranhão para alçar novos voos. Ele afirma que a mãe, apesar de ter criado 15 filhos, sempre dizia que na família não haveria analfabetos.

As palavras maternas o incentivaram e caso se torne um ministro, o professor universitário já tem uma diretriz traçada na qual o foco é apenas um: construir uma sociedade livre, justa e solidária. “É um grande desafio, mas creio que há necessidade de se compreender qual o papal da constituição na construção da sociedade e na efetivação dos valores fundamentais da mesma, que são os direitos humanos e fundamentais. Adoto como pressuposto a compatibilidade entre constituição e democracia, duas doutrinas que sem as quais não conseguimos realizar os direitos fundamentais, esse é o objetivo principal da República, contemplar a liberdade, a justiça social e a solidariedade”, resume. Acelino é casado e pai de duas filhas, e depois de ter conquistado apoio de instituições e entidades de Mato Grosso do Sul pode ser também um nome que represente o Nordeste na maior das Cortes Jurídicas.

Wembley Campos toma posse em Brasília como novo Defensor Público Federal

Brasília, 08/05/2014 – O novo defensor público federal Wembley Alejandro Garcia Campos tomou posse nessa quarta-feira (7), em cerimônia realizada em Brasília (DF). Ele foi aprovado no 4º Concurso Público para a carreira, realizado em 2010.

Em seu discurso, Wembley Alejandro Campos falou sobre a sua jornada “rumo ao fortalecimento da cidadania, da redução das desigualdades e do equilíbrio entre as classes sociais”. Ele também agradeceu aos familiares, amigos, e ao defensor-geral.

“Nós, como construtores da Defensoria Pública da União, estamos trabalhando para que a população que tanto precisa do nosso serviço tenha uma instituição forte e aparelhada”, afirmou o defensor público-geral federal, Haman Tabosa de Moraes e Córdova, ao dar boas-vindas ao novo membro da carreira.

De acordo com o corregedor-geral federal, Holden Macedo da Silva, “é um momento em que apenas um defensor entra na carreira, mas com essa força que chega e ocupa o seu espaço, já há uma renovação de ânimo e uma renovação de álibi, sabendo que todos nós estamos caminhando por aquele objetivo comum que é melhorar a Defensoria, melhorar a carreira de defensor, melhorar os serviços que prestamos para os necessitados e melhorar o básico de uma forma geral”.

Também estiveram presentes à cerimônia de posse o subdefensor público-geral federal Fabiano Caetano Prestes; o presidente da Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef), Kelery Dinarte da Páscoa Freitas; o secretário-geral de Articulação Institucional, Bruno Vinícius Batista Arruda; o assessor de Assuntos Legislativos, Amadeu Alves de Carvalho Junior; o assessor jurídico, Arcênio Brauner Júnior; a secretária de Atuação no Sistema Penitenciário Nacional e Conselhos Penitenciários, Tatiana Melo Aragão Bianchini; e a coordenadora de Gestão de Pessoas, Kátia Pereira Bessa.

Assessoria de Comunicação Social
Defensoria Pública da União